Superação. Você consegue, foi o tema da palestra proferida pelo Campeão Olímpico de 1992, o judoca santista Rogério Sampaio, na abertura da 15ª Sipat Integrada da Área da Saúde, realizada no último sábado (10), no Salão Nobre da Beneficência Portuguesa.

Rogério Sampaio, Ademir Pestana (presidente da Beneficência) e Danielle Zangrando

       “Uma das primeiras lições que aprendi foi que não nascemos preparados para isso ou aquilo e que independentemente dos nossos sonhos, temos que perseverar e superar os obstáculos para atingirmos nossas metas. A disciplina que o esporte nos impõe é um dos  grandes desafios e o mais eficaz para não esquecermos a lição básica para cumprimento de regras e respeito aos nossos adversários”, disse Rogério Sampaio, hoje, diretor geral do COB – Comitê Olímpico do Brasil, aos presentes à abertura da Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho.

        Durante a palestra, um vídeo sobre os Jogos de Barcelona, mostrava cenas das cinco lutas de Rogério naquela tarde de 1º de agosto de 1992, inclusive a premiação. Sempre emocionado o palestrante teve os olhos marejados por várias vezes ao falar sobre sua trajetória no esporte e através dele, as muitas lições de vida.

        “Falar sobre superação é estimulante e interessante, para deixar claro, especialmente aos mais jovens, que não se chega ao topo de uma carreira, seja esportiva ou profissional, sem luta, sem trabalho, sem sacrifícios, não apenas nosso, mas também de quem nos cerca, nos protege, nos incentiva, especialmente nossos pais, na maioria das vezes, nossos patrocinadores”. O palestrante olha para a mãe, dona Neusa Sampaio Cardoso, sentada na primeira fileira e com olhar lacrimoso e lábios trêmulos, reconhece mais uma vez que sem a força da família, especialmente da genitora, não estaria palestrando sobre o tema.

Campeão Olímpico Rogério Sampaio – Barcelona, 1992

      Rogério Sampaio  ressaltou que desde cedo aprendeu a analisar as dificuldades enfrentadas pelas pessoas e em especial a luta pela superação e um dos exemplos foi seu primeiro professor de judô, Paulo Duarte que não tinha uma perna, usava prótese.

        “Vocês imaginem  isso em 1972. A força de vontade e de superação desse homem, ensinar à criançada (Rogério estava com 4 para 5 anos), inclusive técnicas que fizeram o diferencial no meu estilo de luta e contribuiram para que, quase 20 anos depois, sem estar na lista dos favoritos, me tornasse  campeão olímpico. Ele moldou a mim e ao meu irmão Ricardo Sampaio, que no final dos anos 70 até 1981, estava entre os melhores judocas do Brasil”. Mais emocionado ainda, o palestrante lembra que seu irmão, foi sua grande motivação para depois de cerca de três anos sem participar de competições, decidir meses antes das olimpíadas de Barcelona  treinar ferrenhamente para conquistar uma vaga na competição, em memória de seu ídolo, o irmão Ricardo Sampaio, quatro anos mais velho que ele, que falecera tragicamente em abril de 1991.

        No vídeo ‘rolava’ a luta contra o húngaro Jozsef Csak, vencido pela tenacidade do santista Rogério Sampaio que naquela tarde, transformava-se em um dos heróis do esporte brasileiro. Ao final do vídeo e da palestra, a sensação ao som, meio truncado pelo tempo, do Hino Nacional enquanto o Pavilhão verde e amarelo era içado ao mais alto do Estádio Olímpico de Barcelona, a emoção era visível na grande maioria dos semblantes no Salão Nobre da Beneficência, como se o tempo tivesse parado naquele 1º de agosto, há 26 anos, no exato momento da premiação ao palestrante Rogério Cardoso Sampaio.

         O presidente da Sociedade Portuguesa de Beneficência, Ademir Pestana, foi o primeiro a levantar-se para cumprimentar Rogério Sampaio, seguido do diretor financeiro Carlos Alberto limas e do secretário adjunto de Saúde de Santos, Dr. Valter Makoto Nakagawa, neste ato representando o prefeito Paulo Alexandre Barbosa.

          Entre os presentes, lá estavam familiares do palestrante, dona Neusa  Sampaio Cardoso e seu tio Odair Teixeira Sampaio e a ex-judoca Danielle Zangrando, campeã dos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro em 2007, além de representantes  de hospitais da região e alunos da Escola Modelo de Enfermagem.

          A Sipat Integrada de Saúde é formada por integrantes dos Sesmts – Serviço Especializado em Engenharia e Segurança de Medicina do trabalho e das Cipas – Comissão  Interna de Prevenção de Acidentes dos hospitais: Associação Hospitalar Apas, Beneficência Portuguesa, Casa de Saúde de Santos, Estivadores e Santo Amaro (Guarujá).

         A programação prossegue de 26 a 30 deste mês, com palestras nos hospitais que fazem parte da integração. Maiores informações pelo telefone 2102 3434  Ramal 2174 com Simoni e Ramal 3161 com Alexandre.

 

Escreva um comentário

*

Your email address will not be published.

2016 © Todos os direitos reservados

Telefones :        (13) 2102-3434    /    Luto:    (13) 2102-3436