Sempre que falamos em câncer de mama, logo pensamos na mulher. Mas esse tipo de câncer, embora em proporção infinitamente menor, também pode ser encontrado em homens. Apesar da pouca incidência (a proporção é para cada 1000 mulheres com a doença, existe um homem com o problema) pode ser fatal se não tratado precoce e adequadamente.

Oncologista Alberto Pessoa de Souza, médico responsável pelo Serviço de Oncologia Clínica da Beneficência Portuguesa de Santos.

Oncologista Alberto Pessoa de Souza, médico responsável pelo Serviço de Oncologia Clínica da Beneficência Portuguesa de Santos.

“Para muita gente o câncer de mama masculino não existe. Levados pela cultura machista na qual fomos criados, os homens, ao contrário das mulheres não se cuidam. Relutam em procurar um médico, confiando ainda no relato de amigos sobre esse ou aquele tratamento caseiro ou mesmo orientação médica que foi boa para o problema do outro. Esquecem que saúde é, depois da vida, o bem mais precioso e o que foi adequado para combater o mal que o amigo apresentava pode não lhe servir, podendo inclusive, agravar o problema”. Quem diz isso é o médico Dr. Alberto Pessoa de Souza, da Sociedade Portuguesa de Beneficência de Santos.

Há 50 anos exercendo a Medicina, o oncologista Alberto Pessoa fala sobre o câncer de mama masculino, ressaltando a necessidade de campanhas durante o ano inteiro, com o intuito não apenas de alertar o homem sobre esse tipo de câncer que muitos pensam não existir, mas também com o propósito de conscientizar essa população para a mudança de hábitos com relação à saúde, à prevenção.

Câncer de mama não é exclusividade da mulher, acomete homens também, mas nesse caso o diagnóstico geralmente acontece em fase avançada da doença. O câncer de mama de forma geral é uma doença curável quando diagnosticada no início – estágios 1 e 2; a partir daí estágios 3 e 4, a situação se complica. Para prevenir a doença, todos temos que nos preocupar com a prevenção, e o homem, tal qual a mulher deve ir ao médico, pelo menos uma vez ao ano para um check up. Tenham em mente que o médico não inventa doença (muitos homens ainda dizem que quando vão ao médico terminam descobrindo doenças, por isso só vão quando a consulta é inevitável). Tem muito mais coisa com que se preocupar além do câncer de próstata” orienta Dr. Pessoa que ressalta: “O corpo masculino não apresenta apenas câncer de próstata, câncer de mama também e muitos outros males”.

Campanhas – O oncologista Alberto Pessoa, médico responsável pelo Serviço de Oncologia Clínica da Beneficência Portuguesa de Santos, entende que campanhas voltadas para a conscientização sobre prevenção à saúde do homem devem ser constantes, visando principalmente, não importa se a médio ou longo prazo, mudanças de hábitos, conceitos e formas de pensar o corpo, a saúde. Para o especialista, os governos precisam investir em campanhas preventivas e de conscientização porque a cultura machista ainda é empecilho para muitos se cuidarem.

“O preconceito ainda domina o mundo masculino que parece não achar espaço para falar sobre saúde, mesmo quando isso deveria lhe interessar. Em qualquer grupo feminino, a saúde está sempre presente nos bate papos. Já nas rodas masculinas o tema saúde dispersa os participantes”.

Imprensa – Para Dr. Pessoa, o papel da Imprensa é fundamental para a conscientização da população masculina com relação à preservação da saúde, a se libertar de medos e preconceitos: “Matérias informativas sobre a importância da prevenção, sobre doenças, especialmente sobre as menos conhecidas da grande maioria ajudam muito a abrir a mente das pessoas. Relatos sobre os dramas vividos por pessoas que conseguiram sair dos momentos de dor e de angústia provocados por doenças, também ajudam. Naturalmente, nada substitui a consulta médica, o tratamento, mas a consciência de que se informar é se ajudar e que o medo e o preconceito só contribuem negativamente, já é um grande passo para que os homens comecem a se desapegar da cultura machista na qual fomos criados”.

mama_masculino
Sinais do câncer de mama

Explica o especialista que é raro homens com idade inferior a 30 anos ser acometido de câncer de mama, mas eles devem estar atentos ao check up que deve, invariavelmente, começar a ser realizado aos 40 anos. Caso a pessoa tenha histórico da doença na família, a atenção deve começar o mais cedo possível.

Segundo Dr. Pessoa, “O câncer de mama masculino é mais comum em homens mais velhos, mas pode ocorrer em qualquer idade. Fiquem atentos porque em se tratando de câncer de mama masculino, a maioria dos diagnósticos são feitos em estágio avançado da doença o que dificulta o tratamento, podendo haver metástase e até o óbito. E isso ocorre principalmente porque muitos homens não vão ao médico regularmente. Quando diagnosticados na fase inicial, homens com câncer de mama têm grande chance de cura. Com o passar do tempo, os nódulos podem não ser identificados a tempo”.

As causas da doença são desconhecidas, mas de acordo com especialistas, alguns fatores de risco podem influenciar, como o uso de anabolizantes ou estrogênios; fatores genéticos; fatores ambientais, trabalho em locais com temperaturas muito elevadas, em algumas indústrias química e até fatores hormonais.

Sintomas – Aparecimento de nódulo na região do bico do peito;

Alterações do volume da mama;

Ferida que não cicatriza;

Inchaço das ínguas na axila;

Mamilo virado para dentro (retração);

Pele enrugada ou ondulada;

Secreções no mamilo (sangue ou líquido)

Vermelhidão ou descamação da pele da mama ou mamilo;

Ulceração do mamilo.

Em outubro foi celebrado o mês da prevenção de câncer de mama (Outubro Rosa). Independentemente de o tema estar sempre relacionado à mulher, é extensivo também ao homem que não precisa esperar o movimento Novembro Azul (voltado à saúde masculina para se cuidar. O objetivo de ambos os movimentos é lembrar que é preciso estarmos atentos cuidando da saúde e do bem-estar todos os dias.

*O Serviço de Oncologia Clínica da Beneficência Portuguesa de Santos funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, no térreo do Hospital Santo Antônio – Av. Bernardino de Campos, 47, Vila Belmiro (Canal 2)

2016 © Todos os direitos reservados

Telefones :        (13) 2102-3434    /    Luto:    (13) 2102-3436